23.3.10




Borrão azul
na brancura da página:
o poema.

Albano Martins

Nenhum comentário: